Quinta-feira, 10 de Junho, 2010

 

 

Biografia

  

  

Antoine Lavoisier nasceu em 26 de Agosto de 1743 em Paris, filho de uma família nobre. Foi educado de forma tradicional, era católico e formou-se em direito. Contudo, nunca chegou a exercer a profissão, uma vez que optou pela ciência.

Com suas pesquisas e obras, o cientista francês revolucionou a imagem da química moderna, acabando por receber o nome de “Pai da química moderna”. Pesquisador convicto, Lavoisier acreditava na verdade testada e obtida em laboratório, não em suposições ou teorias. A revolução que ele causou na química foi resultado de um esforço consciente de provar várias experiências.

"Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma". Com essa frase Lavoisier definiu, baseado em reacções químicas e na sua frequente utilização da balança, a famosa lei da conservação da matéria, na qual concluiu que a soma das massas dos reagentes é igual à soma das massas dos produtos de uma reacção.

Além desta descoberta, Lavoisier foi primeiro a observar que o oxigénio, em contacto com uma substância inflamável, produz a combustão e que água é uma substância composta, formada por hidrogénio e oxigénio, H2O (foi uma comprovação surpreendente para uma época em que a água aceite como substância simples, ou seja, impossível de se decompor).

Em 16 de Dezembro de 1771 Lavoisier se casou com uma jovem aristocrata, de nome Marie-Anne Pierrette Paulze. A sua mulher tornou-se num dos seus mais importantes colaboradores, não só devido ao seu conhecimento de línguas (em particular o inglês e o latim), mas também pela sua capacidade de ilustradora. Marie-Anne foi responsável pela tradução, para francês, de obras científicas escritas em inglês e em latim, fazendo ilustrações de algumas das experiências mais significativas feitas por Lavoisier.

Ele viveu na época em que começava a Revolução Francesa, quando o terceiro estado (camponeses, burgueses e comerciantes) ficaria com o poder da França. Foi morto pela mesma, pois era muito mal visto pela população, que pensava que, por ser de uma família nobre, Lavoisier, também, participava no corrupto sistema cheio de impostos sobre a sociedade. Foi guilhotinado após um julgamento sumário em 8 de Maio de 1794, aos 50 anos. Após a sua morte, Joseph-Louis de Lagrange, um importante matemático, contemporâneo de Lavoisier disse: "Não bastará um século para produzir uma cabeça igual à que se fez cair num segundo".

 

 

 

 

Frase de Lavoisier

  

  

 

“Na Natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma”

 

 

Esta frase significa que, segundo a lei de conservação da massa, nada se perde, pois a soma da massa dos reagentes é igual à massa total dos produtos de reacção, logo, se há perda de substâncias, a massa dos produtos de reacção será menor que a dos reagentes, e nada se cria, pois, se há criação de novas substâncias, a massa dos produtos de reacção será maior que a massa dos reagentes.

Por fim, tudo se transforma, porque, quando dois reagentes entram em contacto, originam novas substâncias com a mesma massa.

 

 

 

 

 

 

   
publicado por inacio4 às 20:04

  

  

Quando se misturam dois sais solúveis, ocorre uma reacção química, à qual se dá o nome de reacção de precipitação. Destas reacções químicas resulta um outro sal solúvel e um sal insolúvel, o qual, passado algum tempo, se deposita, portanto dá-se-lhe o nome de precipitado.

  

 

 


 

 

 

Título:

 

 

• Reacção de Precipitação

 

 

 

Objectivo:

 

 

• Estudar reacções de precipitação.

 

• Estudar a lei de Lavoiseur/conservação da massa (a soma da massa dos reagentes é igual à massa total dos produtos de reacção).

 

• Observar qual o resultado obtido ao realizar uma reacção de precipitação entre uma solução aquosa de iodeto de potássio e outra de nitrato de chumbo, e perceber qual a massa de cada reagente e do produto de reacção obtido.

 

 

 

 

Materiais:

 

 

• 2 gobelés de 250 ml

 

• 2 pipetas de Pauster

 

• Balança

 

 

 

 

Reagentes:

 

 

• Solução aquosa de iodeto de potássio

 

• Solução aquosa de nitrato de chumbo

 

 

 

 

Procedimento experimental:

 

 

• Introduza num gobelé 2 pipetas de Pauster com solução aquosa de nitrato de chumbo, e, de seguida, coloque o gobelé com a solução aquosa na balança, a fim de identificar a massa da solução.

 

• Introduza noutro gobelé mais 2 pipetas de Pauster, agora, com solução aquosa de iodeto de potássio, e, de seguida, coloque o gobelé de novo na balança, de modo a anotar, mais uma vez, a massa da solução.

 

• Depois de anotar a massa de cada solução, adicione uma das soluções aquosas no gobelé em que se encontra a outra solução, ocorrendo, assim, uma reacção química. De seguida, coloque o gobelé com o produto de reacção na balança e registe a massa da reacção química obtida ao reagir as duas soluções aquosas

 

 

 

 

Observações efectuadas:

 

 

• 2 pipetas de Pauster com solução aquosa de iodeto de potássio – 5,0 g

 

• 2 pipetas de Pauster com solução aquosa de nitrato de chumbo – 3,5 g

 

• Massa do precipitado – 8 g (resultado influenciado pelo facto de não ter sido removido um pouco de solução aquosa para o outro gobelé)

 

 

 

• As reacções de precipitação consistem na mistura de dois sais solúveis, que se dissolvem na presença de água, ocorrendo, assim uma reacção química, da qual resulta a formação de um sal insolúvel (precipitado). Neste caso, o precipitado é o iodeto de chumbo.

 

 

 

 

Equação de palavras da seguinte actividade experimental:

  

  

 

 

 

 

  • Iodeto de potássio (aq) reage com nitrato de chumbo (aq), originando iodeto de chumbo (s) e nitrato de potássio (aq).

 

 

 

Conclusão:

 

 

  • Gostei bastante de realizar esta reacção química, uma vez que, além de permitir que eu trabalhasse com soluções químicas, foi também uma boa forma de observar, ao vivo, uma reacção de precipitação. 

 

  • Concluí, pela observação da minha própria experiência, que, numa reacção de precipitação, dois sais solúveis transformam-se num sal insolúvel (precipitado).

 

  • Concluí, ao registar os resultados obtidos na balança, que, neste caso, embora se realizasse uma reacção química, a soma da massa de ambos os reagentes é a mesma que a massa do produto de reacção.

 

publicado por inacio4 às 18:59

Sábado, 20 de Março, 2010

 

 

 

Quando se põe em contacto uma solução àcida com outra de carácter químico básico, ocorre sempre uma reacção química, à qual se dá o nome de reacção de ácido-base ou reacção de neutralização. Este último nome deriva do facto de, quando se adiciona uma solução básica a uma solução ácida (ou vice-versa), o seu pH diminui ou aumenta, aproximando-se sempre do valor7(solução neutra), na escala de pH.

 

 

Quando se realizam essas reacções químicas, observa-se, sempre, a formação de novas substâncias pertencentes ao grupo dos sais e ainda a formação de água.

 

 

 

 

   

 

 

 

 

Relatório da experiência:

 

 

 

Título:

  • Reacção entre uma solução aquosa de hidróxido de sódio e ácido Clorídico

 

Objectivo:

  • Observar o pH de uma solução de ácido clorídico (solução ácida), á medida que se adicionam pequenas quantidades de uma solução aquosa de hidróxido de sódio (solução básica). 

 

Materiais:

  • 2 balões de erlenmeyer de 250 ml
  • 1 pipeta volumétrica e 1 pompete
  • 1 vareta de vidro
  • 1 pipeta de Pauster
  • Papel indicador universal
  • Fenolftaleína

 

Reagentes:

  • Ácido clorídico
  • Solução aquosa de hidróxido de sódio

 

 

Procedimento experimental:

  • Introduza num balão de erlenmeyer 20cm3 ácido clorídico, com a ajuda da pipeta volumétrica e da pompete. De seguida, coloque três gotas de fenolftaleína na solução, a qual permanecerá incolor pois ainda constitui uma solução aquosa de carácter químico ácido.
  • Introduza noutro balão de erlenmeyer 30 cm3 de solução aquosa de hidróxido de sódio, com a ajuda da pipeta volumétrica e da pompete.
  • Com a ajuda de uma pipeta de Pauster, vá adicionando sucessivas quantidades de solução aquosa de hidróxido de sódio ao ácido clorídico. A pouco e pouco, pode observar que a cor da fenolfaftaleína a mudar, assemelhando-se cada vez mais a rosa-carmim.
  • Após cada adição, registe a cor que o papel indicador universal adquire, ao entrar em contacto com o producto de reacção obtido. De seguida compare-o com outros resultados na escala de pH.

 

 

Observações efectuadas:

  • Á medida que se adicionam pequenas quantidades de solução aquosa de hidróxido de sódio ao ácido clorídico, o seu valor de pH vai aumentando, diminuindo o seu grau de acidez. Por exemplo:
  • Meia pipeta de Pauster - pH 1 (cor vermelha)
  • 1,5 pipetas de Pauster - pH 2 (cor alaranjada escura)
  • 3,5 pipetas de Pauster - pH 3 (cor alaranjada mais clara)
  • 5,5 pipetas de Pauster - pH 7 (cor verde claro)
  • 7,5 pipetas de Pauster - pH 12 (cor azul escuro)

 Atenção: Pipetas de Pauster com solução aquosa de hidróxido de sódio

 

 

 

Conclusão:

  • Gostei bastante de realizar esta reacção química, uma vez que, além de permitir que eu trabalhasse com soluções químicas, foi também uma boa forma de observar, ao vivo, uma reacção de neutralização. Observei, com a minha própria experiência, a alteração do pH da solução em questão. Na minha opinião, os resultados não foram muito extraordinários quanto isso, já que, nas aulas, falamos sobre estas reacções e sobre as suas consequências, logo já estaria à espera destes resultados.
  •  Espero realizar mais actividades experimentais como esta, pois considero-a uma boa forma de perceber esta matéria das reacções químicas.

 

 

 

 

 

   

 

 

publicado por inacio4 às 16:08

Quinta-feira, 18 de Março, 2010

 

 

 

As soluções aquosas podem ser classificadas em diferentes tipos, conforme o seu carácter químico. Podem ser:

 

 


  • Soluções aquosas de carácter químico ácido, se possuem na sua constituição  substâncias àcidas. Na escala de pH, o seu carácter químico possui um valor menor do que 7.

 

Exemplos de Soluções aquosas de carácter químico ácido do nosso dia-a-dia:

 

  • Sumo de citrinos, como a laranja e o limão (ácido cítrico)
  • Vinagre (ácido acético)
  • Maçã (ácido málico)
  • Uvas (ácido tartárico)
  • Pepsi e Coca-cola (ácido fosfórico)
  • (...) Entre outros (...)

 

Exemplos de Soluções aquosas de carácter químico ácido do laboratório:

 

  • Ácido Clorídico
  • Ácido Sulfúrico
  • Ácido Nítrico

 


 

 

  • Soluções aquosas de carácter químico básico, se possuem na sua constituição  substâncias básicas. Na escala de pH, o seu carácter químico possui um valor maior do que 7.

 

Exemplos de Soluções aquosas de carácter químico básico do nosso dia-a-dia:

 

  • Detergentes
  • Shampoos
  • Pasta de dentes
  • Água com sabão
  • (...) Entre outros (...)

 

Exemplos de Soluções aquosas de carácter químico básico do laboratório:

 

  • Amoniacos
  • Hidróxidos
  • Hipocloritos
  • (...) Entre outros (...)

 

 

  • Soluções aquosas de carácter químico neutro, se na sua constituição não possuem substâncias ácidas ou básicas. Na escala de pH,  os eu carácter químico possui um valor igual a 7.

 

Exemplos de Soluções aquosas de carácter químico neutro:

 

  • Água destilada
  • Água com açucar (sacarose)
  • Água salgada (cloreto de sódio)
  • (...) Entre outros (...)

 


 

 

Exemplos de rótulos que indiquem o pH de uma solução aquosa:

 

 

 

publicado por inacio4 às 22:54

Quarta-feira, 16 de Dezembro, 2009

 

   
 
 
 
Durante o primeiro período da disciplina de Físico Química, trabalhei e estudei o tema da luz, nomeadamente, a dispersão da luz branca em todas as suas cores constituintes. A luz branca é formada por sete cores (vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, anil, violeta), as quais possuem diferentes características de onda, nomeadamente, comprimento de onda e frequência. A dispersão da luz branca é obtida pela utilização de um prisma triangular de vidro, ao qual também se dá o nome de prisma crosmático.
 
Ao contrário do que se sucede nas tintas (são necessárias todas as cores para formar tinta branca), para se formar luz branca apenas são necessárias três cores primárias, verde, azul e vermelho. Além disso, a partir dessas três cores é possível criar todas as outras que constituem o espectro da luz visível ou luminoso.
Por exemplo:
  • Verde + Vermelho = Amarelo
  • Vermelho + Azul = Magenta
  • Azul + Verde = Azul Turquesa  
 
Logo, as únicas cores necessárias para a nossa visão são o azul, o vermelho e o verde. Ou seja, a interpretação de cada cor de cada objecto, a qual resulta da reflexão da sua cor original, obtêm-se a partir dessas três cores primárias. Imagina que, num dia de sol, a luz solar (a qual é considerada branca) reflecte o verde e o vermelho e apenas o azul era absorvido. Neste caso, o objecto seria de cor amarelo, já que a junção das duas cores origina a cor amarela.
 
O nome do Físico a que é atribuído esta descoberta é Issac Newton.
 
 
 

Na minha opinião, este foi um tema muito divertido de trabalhar, pois, além de ser fácil, é um assunto que se encaixe no nosso dia-a-dia, ou seja, encontra-se muito presente, tornando-se, assim, ainda mais interessante.

 

 

 

 

publicado por inacio4 às 01:22

Segunda-feira, 14 de Dezembro, 2009

Qual o Físico que descobriu e explorou a lei da gravitação?

 

R:Issac Newton.

 

Qual o Físico que descobriu e explorou a equação E=mc2 ?

 

R: Albert Einstein.

 

Qual o único Cientista e Físico a receber dois prémios Nobel?

 

R: Marie Curie.

 

A que Físico se atribui o nome de criador da microbiologia?

 

R: Louis Pasteur.

 

 

 

 

 

 

 

Biografia de Issac Newton

 

Isaac Newton, Físico e Matemático Inglês, nasceu em Lincolnshire, no dia de Natal de 1642, no mesmo ano em que faleceu Galileu. O pai tinha morrido pouco antes do seu nascimento e a mãe voltou a casar-se quando ele tinha três anos. Foi educado pela avó e frequentou a escola em Woolsthorpe.

Quando completou catorze anos a mãe, viúva pela segunda vez, regressa a Woolsthorpe com os três filhos do segundo casamento. Enquanto frequenta a escola, Newton é encarregue de a ajudar na gestão dos negócios da família, o que não lhe agrada. Por isso divide o seu tempo entre os livros e a construção de engenhosos entretenimentos como, por exemplo, um moinho de vento em miniatura ou, um relógio de água. Um tio materno ao aperceber-se do seu talento extraordinário convenceu a mãe de Newton a matriculá-lo em Cambridge, o que apenas aconteceu em 1661.

Nos finais de 1664, tendo atingido as fronteiras do conhecimento matemático estava pronto para realizar as suas próprias contribuições. Nos primeiros meses de 1665 exprimiu funções em termos de séries infinitas. Durante 1665/1666, o Trinity College (escola de Cambridge em que estava ingressado) foi encerrado devido à peste. Este foi para Newton o período mais produtivo pois, nesses meses, na sua casa de Lincolnshire, realizou quatro das suas principais descobertas:

 

1. O teorema binomial

2. O cálculo

3. A lei da gravitação

4. A natureza das cores

 

Newton não se concentrou apenas numa só área de estudos. Os seus esforços e seu génio estavam voltados para muitos interesses. Para além da Matemática e da Filosofia Natural, as suas duas grandes paixões foram a Teologia e a Alquimia.

Em 1668 completou o seu primeiro telescópio de refracção, com que observou os satélites de Júpiter. Os esforços de Newton no campo da matemática e das ciências foram grandiosos, mas a sua maior obra foi sobre a exposição do sistema do mundo, dada na sua obra denominada Principia. Durante a escrita do Principia Newton não teve qualquer cuidado com a saúde, esquecendo-se das refeições diárias e até de dormir. No Outono de 1692 Newton adoece seriamente. A aversão à comida e as insónias persistentes que lhe tinham permitido escrever os Principia conduziam-no para perto do colapso total.

Em 1699, Newton é nomeado Master of the Mint com a tarefa de reformar e supervisionar a cunhagem da moeda.

Faleceu a vinte de Março de 1727, em Middlesex, entre a uma ou duas da manhã, durante o sono, com oitenta e cinco anos. Foi sepultado no Panteão de Londres, junto aos reis de Inglaterra, na Abadia de Westminster.

 

 

 

 

  Voltar ao início Clique para voltar ao início.

 

 

 

 

 

Biografia de Albert Einstein

 
Albert Einstein nasceu a 14 de Março de 1879, em Ulme na Alemanha, filho de uma família judia da classe média. Com apenas um ano a família deslocou-se para Munich, onde o pai Hermann e o tio Jacob iniciaram um novo negócio.
Embora só tenha começado a falar aos três anos, não é verdade que tenha sido um fraco estudante. Simplesmente, apenas se aplicava quando o assunto lhe interessava, nomeadamente, Matemática e Física. Por exemplo, na escola secundária, teve muito boas notas em física e matemática, mas era um aluno vulgar nas disciplinas que não lhe despertavam um interesse particular, como o francês e o alemão.
Em 1894 o negócio do pai em Munich faliu, e a família foi obrigada a deslocar-se para Itália, deixando Einstein para trás a completar o ensino secundário. Porém, Einstein que tolerava com dificuldade a rígida disciplina do Gymnasium (escola secundária que frequentava), em pouco abandonou a escola e juntou-se à família em Milão, evitando assim ser incorporado nas forças armadas alemães.
Em 1895 tentou a admissão ao Instituto Politécnico Federal (E.T.H.) em Zurique, na Suíça, mas fracassa. Frequentando, assim, a Escola Cantonal em Aarau. Finalmente, em 1896, foi admitido no E.T.H. (Instituto Politécnico Federal). Aí encontrou, pela primeira vez, aquela que viria a ser a sua primeira mulher, Mileva Maric (1875-1948).
Em 1903,casou com Mileva, após fortes objecções dos seus pais. Antes do casamento, tiveram uma filha, Lieserl, que aparentemente nunca chegou a viver com o casal. Suspeita-se que tenha sido dada para adopção, mas não se tem a certeza de nada. Mais tarde, Mileva e Albert tiveram mais dois filhos: Hans Albert (1904-1973) e Eduard (1910-1965).
Durante toda a sua vida, Einstein descobre e resolve numerosas experiências, funções, sequências e equações relacionadas com a Física e a Matemática. Contudo, a expressãoE=mc 2 , publicada em 1905, foi talvez a equação mais famosa descoberta em toda a sua vida. 
Em 1922 Einstein recebeu o prémio Nobel da Física.
Em 1948 foi-lhe diagnosticado um aneurisma da aorta na zona abdominal. Em Abril de 1955 deu-se uma ruptura do aneurisma e Einstein morreu. O seu corpo foi cremado.
 
 
E=mc2
 
Em física, a equivalência massa - energia é o conceito de que qualquer massa possui uma energia associada e vice-versa. Essa relação é expressa pela fórmula de equivalência massa – energia.
 
Onde:
·         E = energia
·         m = massa
·         c = a velocidade da luz no vácuo

 

 

 

 

  Voltar ao início Clique para voltar ao início.

 

 

 

 

 

 

 

Biografia de Marie Curie

 

 

Maria Skłodowska Curie nasceu na Polónia, em Varsóvia a 7 de Novembro de 1867. Quando era uma jovem estudante envolveu-se numa organização de estudantes que queria transformar a ciência e por isso achou melhor fugir de Varsóvia, dominada pela Rússia, para a Cracóvia. Em 1881, com a ajuda da irmã, mudou-se para Paris, onde concluiu os seus estudos.
Estudando na Sorbonne (universidade que frequentava), obteve licenciatura em Física, em 1893, e em Matemática, em 1894. Foi a primeira mulher a leccionar nesta prestigiada Universidade.
Casou-se em 1895 com Pierre Curie (de quem recebeu o sobrenome pelo qual é conhecida) que também era professor de Física. Este iniciou os seus estudos ao investigar propriedades magnéticas de metais.
Quando, em 1896, Henri Becquerel descobriu a radioatividade do urânio, Marie Curie interessou-se em investigar melhor as propriedades de materiais radioativos. Utilizando o eletrômetro, aparelho desenvolvido por Pierre Curie e seu irmão 15 anos antes, Marie Curie descobriu que a radioatividade se devia às propriedades intrínsecas do elemento urânio.
Por estas e outras contribuições, Marie Curie foi o único cientista a receber dois prémios Nobel científicos, um de Física em 1903 (dividido com seu marido e com Henri Becquerel) e um de Química em 1911.
Durante a Primeira Guerra Mundial, Curie propôs o uso da radiografia móvel para o tratamento de soldados feridos. Em 1921 visitou os Estados Unidos, onde foi recebida triunfalmente. O motivo da viagem era arrecadar fundos para a pesquisa.

Salanches, França, em 1934 de leucemia, devido, seguramente, à exposição maciça a radiações durante o seu trabalho. Sua filha mais velha, Irène Joliot-CurieMarie Curie morreu perto de , recebeu o Nobel de Química de 1935, ano seguinte da morte de Marie. Em 1995 seus restos mortais foram transladados para o Panteão de Paris, tornando-se a primeira mulher a ser sepultada neste local.

A sua filha, Éve Curie, escreveu a mais famosa das biografias da cientista, que foi amplamente traduzida em vários idiomas. Em Portugal, é editada pela editora "Livros do Brasil". Esta obra deu origem ao argumento de um filme de 1943: "Madame Curie".
 
 

 

 

 

  Voltar ao início Clique para voltar ao início.

 

 

 

Biografia de Louis Pasteur

 
Louis Pasteur nasceu em Dole no dia 27 de Dezembro de 1822. Seu pai foi sargento da armada napoleônica. Pasteur não foi um aluno de destaque até transferir-se para a Escola Normal Superior em 1843, licenciar-se e ter acesso às aulas de um grande químico francês chamado Jean Baptiste Dumas. A partir daí, ele começou a se interessar pela química.
O seu interesse pela química era tão grande que, desde cedo, se tornou professor de química em Estrasburgo e, algum tempo depois, em Paris. Aos 27 anos, casa com Marie Laurent, filha do reitor da universidade de Estrasburgo. O casal teve cinco filhos, tendo apenas dois chegado à idade adulta. As mortes de dois filhos ainda muito pequenos com febre tifóide afectaram vivamente o casal Pasteur e foram decisivos para o prosseguimento dos estudos e investigações sobre as doenças causadas por micróbios. Porém, Pasteur ficou sobretudo famoso pela descoberta da vacina contra a raiva.
Pasteur fez o doutoramento em Ciências, a 23 de Agosto de 1847, apenas com 25 anos. Nesse tempo, a ignorância sobre as bactérias era grande e não se sabia que estavam espalhadas no ar, por todo o lado.
Além disso, estudou a fermentação, estudo que levá-lo-ia a descobrir o porquê dos vitivinicultores, de diversas zonas do seu país, verificarem, com tanta frequência, que os seus vinhos se transformavam em vinagre, sendo uma enorme perca para a economia francesa. E isto passou a ser particularmente grave a partir de 1860, depois de assinado o tratado comercial entre a França e a Grã-Bretanha, por se verificar que grande percentagem dos vinhos não resistia à viagem, estragando-se irremediavelmente. Nessa época a França produzia 50 milhões de hectolitros de vinho por ano. A perda do precioso líquido era uma calamidade. O imperador Napoleão III (sobrinho de Napoleão Bonaparte) pediu a Pasteur que investigasse o porquê da fermentação do vinho e proporcionou-lhe as melhores condições de trabalho, equipando laboratórios para que o grande químico pudesse dedicar-se inteiramente a essa investigação. Foi criado, em 1867 o laboratório de físico-química expressamente para Pasteur, na Escola Normal Superior. Depois de aturados estudos o cientista descobriu que submetendo o vinho a um aquecimento elevado durante alguns segundos, e logo de seguida, a um repentino abaixamento da temperatura a menos de dez graus, matava os germes que alteravam os líquidos. Este sistema foi depois utilizado na cerveja e vinho, daí o termo «pasteurizado» que todos conhecemos.
Logo, solucionou este problema através de um processo que originou a actual técnica de pasteurização dos alimentos.
Em 1865, sua descoberta foi utilizada pelo cirurgião Joseph Lister, que utilizou os conhecimentos de Pasteur com o objectivo de eliminar os microorganismos presentes em feridas e incisões cirúrgicas. No ano de 1871, Pasteur insistiu para que todos os médicos dos hospitais militares passassem a adoptar esta técnica em todos os instrumentos de procedimento médico.
Os seus intensos estudos sobre a vida dos microorganismos patogénicos levaram-no a descobrir uma forma de combatê-los, foi a partir de então, que ele descobriu as vacinas, entre elas, a anti-rábica.
O sucesso da vacina anti-rábica foi tal que a Academia das Ciências desenvolveu um projecto para criar uma instituição de investigação (futuro Instituto Pasteur). Em 1886 obteve licença internacional para fundação do Instituto Pasteur, inaugurado em 1888, o qual era dedicado ao estudo e tratamento de raiva, assim como a outros estudos microbiológicos. Pasteur foi o criador da microbiologia!
Pasteur aos 46 anos é vítima de uma trombose que lhe paralisou o lado esquerdo do corpo, mas continuou a trabalhar, mas sabe-se que o cientista era difícil no trato com os colaboradores.
Luís Pasteur morreu a 28 de Setembro de 1895 e a viúva opôs-se a que fosse para o Panteón, onde repousam os notáveis de França. No ano seguinte passou a repousar numa cripta especialmente concebida para ele, no Instituto Pasteur.

Pasteur ocupa um lugar de topo na Ciência mundial do séc. XIX.

 

 

 

 

  Voltar ao início Clique para voltar ao início.

 

 

 

publicado por inacio4 às 23:13

mais sobre mim
Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


arquivos
2010

2009

pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro

subscrever feeds